O Sol é indispensável e todos nós gostamos de aproveitá-lo porque ele desempenha um papel considerável sobre o nosso humor. Além disso, os raios participam na síntese de Vitamina D, indispensável para a saúde.

Raios UV

O sol emite uma variedade de raios de luz que atingem a Terra: os raios ultravioleta (UV), a luz visível e a radiação infravermelha. Os raios UV representam apenas uma pequena fração da energia solar que recebemos, mas o impacto sobre a pele é enorme. A radiação ultravioleta pode ser dividida em várias categorias, dependendo do seu comprimento de onda:

• Os raios UVA, cujo comprimento de onda é mais longo, são responsáveis pelo bronzeado rápido e, também, pelo envelhecimento da pele e rugas pois atingem a camada mais profunda do tecido da pele, causando danos.

• Os raios UVB, cujo comprimento de onda é médio, são responsáveis pelo bronzeamento lento, queimaduras solares, envelhecimento da pele e, também, pelo câncer de pele. Eles são extremamente perigosos para o corpo.

• Os raios UVC, cujo comprimento de onda é mais curto, são os mais prejudiciais. Felizmente, esses raios não atingem a superfície da Terra, porque são absorvidos pela atmosfera.

Exposição da pele do bebê ao sol

A pele de um adulto é capaz de se defender das agressões do Sol se não estiver sujeita a condições de exposição em excesso. A camada superficial da pele, a melanina e os mecanismos de reparação celular participam nesta fotoproteção natural. Mas, nos bebês e nas crianças menores, estes mecanismos de defesa são ainda imaturos, o que os torna particularmente vulneráveis ao Sol:

• A pele de um bebê é mais fina e sensível.

• A função de barreira protetora é ainda pouco eficaz e os UV penetram mais facilmente.

• O sistema imunológico dos bebês ainda não está desenvolvido e não consegue defender adequadamente a pele contra os raios UV.

O sistema de pigmentação dos bebês, destinado a proteger a pele, está ainda pouco desenvolvido.

• A pele dos bebês é rica num potencial celular único, mas frágil. Por isso, é primordial protegê-la para garantir a saúde a longo prazo.

• Por fim, a transpiração dos bebês é ainda pouco abundante, o que os torna mais sensíveis às variações de temperatura, às queimaduras solares e à desidratação.

Efeitos nocivos da luz solar

As queimaduras solares, imediatas e dolorosas, não são a única consequência de uma exposição excessiva aos raios UV. Ao longo dos anos, a exposição prolongada ao sol e as repetidas queimaduras causam envelhecimento acelerado da pele e enfraquecimento do sistema imunológico e, em alguns casos, podem causar câncer de pele e catarata que pode levar à cegueira.

Além disso, a superexposição ao sol na infância tem efeitos prejudiciais e irreversíveis para o sistema de defesa da pele: os radicais livres, que são tóxicos, acumulam-se na pele, reduzindo sua capacidade de se reparar e danificando permanentemente as células. Em consequência disso, a pele que foi enfraquecida pela queimadura solar, principalmente antes dos 10 anos de idade, permanecerá sempre vulnerável.

Por conta disso, é essencial limitar ao máximo a exposição solar do bebê e proteger o melhor possível a pele dele com produtos de índice elevado (SPF 50+) especificamente desenvolvidos e adaptados ao tipo de pele. Ao proteger o seu filho do Sol, está contribuindo para reduzir consideravelmente os riscos dele desenvolver um câncer de pele na idade adulta.

 

Você também vai gostar

Imagem
advice depart vacance mini
BEBÊ

Cotidiano do bebê

Como planejar as primeiras férias em família com o bebê

Imagem
advice proteger mini
PÓS-PARTO

Primeiros cuidados com o bebê

Protegendo seu bebê do sol

Imagem
advice soleil peau mini
PÓS-PARTO

Primeiros cuidados com o bebê

Sol e a pele do seu filho