Nove meses no seu relacionamento

Tornar-se pais é uma aventura maravilhosa que muda o vínculo e aumenta a intimidade. Longe de serem suspensas, as relações íntimas serão enriquecidas de maneiras diferentes durante cada trimestre.

Um bebê não precisa se preocupar com nada se tiver pais que se amam

A gravidez é uma revolução psicológica, psíquica e emocional que, é claro, tem um impacto sobre o relacionamento de um casal. A futura mãe, agora habitada por um pequeno ser crescendo dentro dela, e o futuro pai, cativado, ansioso ou intrigado por esse instinto de maternidade, notará gradualmente mudanças na intimidade entre eles conforme o bebê cresce. De um trimestre para o outro, o vínculo de amor se adaptará aos sentimentos psicológicos e físicos relacionados à gravidez e a sua vida sexual também será afetada por essas mudanças.

Relações sexuais não prejudicam o bebê, pois ele está confortável e bem protegido no útero, isolado pelo líquido amniótico

A menos seu médico indique o contrário (particularmente devido ao risco de parto prematuro), manter relações sexuais até o parto é perfeitamente possível, “tecnicamente” falando. No entanto, cada casal é diferente e, naturalmente, abordará a intimidade durante esses nove meses de acordo com sua própria formação e influência cultural. Não há regras. Há apenas realidades fisiológicas e psicológicas, e um melhor entendimento delas fornecerão segurança.

Durante o primeiro trimestre: o amor é redefinido, a paixão diminui um pouco

O início da gravidez é uma grande reviravolta. Com um grande aumento dos hormônios, o corpo da futura mãe reage mais ou menos intensamente à nova ordem das coisas, com pequenos desconfortos (náusea, dores de cabeça, fadiga, irritabilidade etc.) que não são muito propícios a aberturas amorosas. É normal que a futura mãe se concentre no que está acontecendo dentro dela. Também é normal que ela experimente a necessidade de retomar a propriedade de seu corpo, que não é mais o mesmo. Com todas essas mudanças, a futura mãe provavelmente ficará absorta na gravidez e terá ondas de imensa felicidade e alguma ansiedade.

Muitas vezes surge a necessidade de ficar sozinha... Às vezes, a futura mãe não se reconhece mais e, como resultado, seu parceiro não sabe mais como se comportar em relação a ela. Esse período, portanto, deve ser vivido por um casal com muito amor, conversação e compreensão, pois cada pessoa deve se adaptar às mudanças.

Não se preocupe se a paixão às vezes parecer ter desaparecido do relacionamento. Esse parêntese, principalmente por razões psicológicas, é apenas temporário e não impede carícias ou carinhos. Quando essas pequenas questões psicológicas não são acentuadas e a futura mãe se sente desejável em seu novo corpo, muitos casais logo embarcam em uma vida sexual particularmente emocional.

O segundo trimestre: uma alegria calmante e libertadora

Entre o 4º e o 6º mês de gravidez, quando as secreções hormonais finalmente se estabilizaram e os pequenos problemas dos primeiros meses desapareceram, o corpo da futura mãe está se arredondando bem e os futuros pais sentem-se seguros de que a gravidez vai bem... a calma volta à vida cotidiana. Isso é frequentemente considerado um “período de lua de mel”.

Incluindo quanto às relações sexuais. As barreiras psicológicas não são mais um obstáculo para a libido, que é naturalmente aumentada durante a gravidez por uma melhor irrigação da área genital.

A sexualidade de algumas mulheres de fato melhora muito durante o 2º trimestre. O parceiro também pode ter perguntas para fazer a si e desenvolver síndrome de couvade nesse 2º trimestre: ele engorda, tem dor nas costas etc. De novo, a abertura é essencial, assim como carícias e afeto para preservar e reacender a intimidade entre o casal, principalmente quando o bebê começa a se mover de forma mais perceptível.

O terceiro trimestre: sensualidade aumentada

Essas últimas semanas antes da chegada do bebê são uma época de grandes preparativos para o casal. O futuro está chegando. Participar de cursos pré-natais, escolher o nome, preparar o quarto do bebê, até mesmo uma mudança de carro ou apartamento. O casal agora está mais próximo do que nunca e focado no nascimento. E também um pouco cansado. O que não significa que toda intimidade precisa ser deixada de lado. Muitas vezes, durante esse período, os casais descobrem novas formas de lidar com as restrições anatômicas de um bebê em crescimento. 

A sensualidade e o erotismo de uma massagem, por exemplo, podem, com um pouco de criatividade, substituir as relações sexuais usuais, que podem ficar desconfortáveis. E o amor, a ternura e o desejo que podem ser expressos por carícias e contato “pele a pele” também são muito evocativos e até mais adequados aos últimos dias antes da chegada do bebê. Além do vínculo intelectual e psicológico, é importante manter o contato físico. Cabe a cada casal criar seu próprio caminho.

Você também vai gostar

Imagem
advice grossesse papa mini
GRAVIDEZ

As emoções dos primeiros meses

Gravidez: o que o pai precisa saber

Imagem
advice sein mini
GRAVIDEZ

O despertar dos sentidos

Dicas para cuidar dos seios de grávidas e recém-mamães

Imagem
advice dormir mini
GRAVIDEZ

O despertar dos sentidos

Durma bem durante a gravidez