A higiene do umbigoAbril 2018

Umbigo do recém-nascido: atenção e cuidados necessários desde o primeiro dia

 

   Durante a gravidez, o bebê recebe o oxigênio e os nutrientes necessários ao seu crescimento por meio do cordão umbilical. É com ele que o pequeno se conecta à placenta dentro do útero. Por isso, este cordão é cortado logo após nascimento e o que resta no abdome do bebê é conhecido como coto umbilical.  Este pedacinho irá secar e cair de 10 a 21 dias depois que o neném nasce. E é justamente neste período que a região precisa de cuidados especiais.

 

   A pediatra Dra. Vania Oliveira de Carvalho explicou no Guia de Conselhos da Mustela que o coto deve ser mantido limpo e bem seco, sobretudo na base junto ao corpo, para que sua queda natural aconteça sem riscos de infecções. Isso porque nos primeiros dias de vida o coto pode ser considerado como uma lesão que está exposta a agentes patogênicos como bactérias e vírus que oferecem riscos à saúde do bebê.

 

Problemas à vista

 

   Como o bebê não tem o sistema imunológico totalmente formado, a falta de higiene no coto pode causar doenças mais graves, como o tétano neonatal. Se os pais observarem que o coto tenha com uma secreção amarelada, com mau cheiro ou vermelhidão ao redor do umbigo, é preciso procurar um especialista para uma avaliação mais detalhada.

 

   Se a região estiver inchada, com uma saliência visível depois que o coto caiu, há possibilidade do bebê ter desenvolvido a chamada hérnia umbilical. Dependendo do tipo de hérnia, o problema não é grave e geralmente se resolve sozinha até os dois anos de idade e pode trazer desconforto ao recém-nascido. Mas nem ela sempre fecha automaticamente: muitas vezes, há necessidade de uma pequena cirurgia para corrigi-la.

 

   Podem ocorrer, ainda, pequenos sangramentos ao redor do coto antes ou depois de cair. Não há motivo para preocupações desde que não haja cheiro ruim ou uma coloração mais escura na pele. Mesmo depois que o coto se desprende, o tempo de cicatrização pode levar até dez dias.

 

Cuidados com o umbigo

 

   Ainda na maternidade, os especialistas orientam os pais como devem ser feita a limpeza do coto para evitar problemas futuros. Ao contrário do que acontecia antigamente, hoje em dia não é recomendado o uso de faixas e nem moedas na região.

 

   Após o nascimento, o coto é preso com um pequeno grampo entre 2 e 3cm da base e fica exposto ao ambiente. Para a higienização, basta usar uma haste flexível com álcool 70% em todas as trocas de fralda e deixar secar naturalmente. Neste momento, a atenção deve ser redobrada para que a fralda não cubra o coto umbilical. Desta forma, os pais evitam que o coto umbilical tenha contato com a urina ou fezes do bebê.  

 

   Após o banho, é importante secar bem a área antes de aplicar o álcool. No Guia de Conselhos da Mustela, a Dra. Vania de Carvalho resume com dicas práticas para estes cuidados:

  1. Lave bem as mãos antes de fazer a higiene do coto;
  2. Use uma haste flexível umedecida em álcool a 70% e comece pela base;
  3. Após a limpeza, espere o álcool secar e enrole uma gaze ao redor do coto;
  4. Posicione a fralda abaixo do umbigo para não contaminar o coto com urina e fezes;
  5. Nunca puxe o coto, deixe que ele se desprenda sozinho;
  6. Se seu bebê for um menino, aponte o pênis dele para baixo, de modo que a urina não seja vertida na direção do coto umbilical.

 

Comente este artigo

Partilhar a minha lista de cuidados

LER TAMBÉM:

4.2
Os cuidados com os seios devem começar assim que a futura mamãe descobre que está grávida: durante os nove meses de gestação, as mamas incham, ficam pesadas e, por muitas vezes, doloridas. Os vasinhos sanguíneos tão discretos na região se tornam mais evidentes e a pigmentação nas aréolas e mamilos, escura e intensa. Tudo isso graças às alterações hormonais que atuam nas glândulas mamárias, preparando-as para a amamentação.
3
Quando se tem um bebê em casa, toda fase é uma novidade para os pais. Isso porque o desenvolvimento humano traz mudanças contínuas conforte o tempo passa – especialmente nos primeiros anos de vida. Segundo Frans X. Plooij, cientista que estudou o comportamento dos bebês ao longo de 35 anos, até os dois anos de idade a criança passa por dez saltos mentais. Alguns destes picos comportamentais são surpreendentes enquanto outros, tendem a ser preocupantes para os pais.