4 problemas comuns da amamentação: saiba como resolvê-losFevereiro 2019

Amamentar nem sempre é tarefa fácil: as mulheres que já passaram por essa fase ou que estão envolvidas com o aleitamento sabem que existe uma série de dificuldades a serem enfrentadas todos os dias. Muitas desistem em poucos dias após o nascimento do bebê enquanto outras persistem e buscam ajuda para enfrentar os problemas.

 

A insistência tem um propósito: amamentar vai além de alimentar o bebê. É um processo que estreita os laços de ternura e amor entre mãe e filho. Além disso, o leite materno é essencial para o desenvolvimento do pequeno, já que possui todos os nutrientes para suprir as necessidades do bebê nos primeiros seis meses de vida. Depois deste período, a amamentação pode ser complementada com outros alimentos saudáveis.

 

A recomendação do Ministério da Saúde é que a mãe amamente o bebê até os dois anos de idade. Por isso, é preciso superar as dificuldades e encarar a amamentação como um processo natural que só traz benefícios para as crianças.

 

1 – Cuidados na gestação

Os cuidados com os seios para alimentar o bebê começa ainda na gravidez, com o banho de sol diário, uso de bucha vegetal nos mamilos durante o banho e deixar de lado loções hidratantes no bico das mamas. Pode parecer estranho, mas essas precauções permitem que os mamilos fiquem ásperos e mais resistentes para a amamentação.

 

Com o aumento no volume dos seios durante a gestação, eles também ficam mais propensos ao surgimento de estrias. Para prevenir, as futuras mães precisam utilizar cremes específicos para impedir a formação dessas cicatrizes, usando – apenas nos seios e não nos mamilos – produtos que tragam segurança para a mãe e também para o bebê. Itens livres de ingredientes questionáveis e que sejam compatíveis com a amamentação.

 

2 – Leite empedrado

A quantidade de leite produzida pela mãe assim que o bebê nasce é superior ao que o pequeno consome. E isso pode causar empedramento do leite dentro das mamas, surgindo nódulos doloridos nos seios e até nas axilas. Em alguns casos, o excesso é tão grande que causa uma inflamação nas mamas, chamada mastite.

 

Para evitar o problema, a mãe deve retirar o excesso de leite: seja durante o banho, com água quente e fazendo massagens circulares para desfazer estes nódulos ou ainda extraindo com o uso de bombinhas elétricas ou manuais.  

 

3 – Mamilos rachados

Este talvez seja o maior problema das mulheres que amamentam: por causa da pega errada do bebê, os mamilos ficam doloridos e com fissuras. Quanto mais o bebê suga, os bicos dos seios ficam ainda piores. Em muitos casos, chegam a sangrar. Alguns truques como passar o próprio leite materno no local para ajudar na cicatrização e revezar os seios durante a amamentação ajudam a solucionar esse impasse. Sempre tendo o cuidado de esvaziar cada seio completamente.

 

Em situações mais graves, pomadas a base de lanolina são utilizadas. Para não sofrer com esse incômodo, as mulheres devem deixar os seios livres, sem sutiã e com roupas bem largas. E a solução mais eficiente para acabar de vez com os mamilos rachados é ensinar o bebê a sugar corretamente a mama. O ideal é que ele não pegue somente o bico, mas abocanhe grande parte da auréola, com a boca em forma de peixinho.

 

4 – Inchaço das mamas

Conhecido como ingurgitamento mamário, este distúrbio acontece por causa da produção excessiva de leite. Os seios ficam duros, vermelhos e bastante sensíveis. Nestes casos, amamentar se torna uma tarefa bem dolorosa e, se o bebê não esvaziar corretamente a mama, também pode evoluir para uma mastite.

 

Uma das maneiras de aliviar o inchaço é deixar o bebê mamar sempre que quiser, em um sistema de livre demanda. Além disso, as mães podem fazer compressas regulares e água fria para amenizar as dores. Ordenhar o leite no banho ou com bombinhas tira-leite também alivia essa condição.

 
Comente este artigo

Partilhar a minha lista de cuidados